Diagnósticos & Tratamentos

Helicobacter pylori: conheça mais sobre essa bactéria

 

H. pylori agindo na mucosa do estômago

Em nossa civilização há uma tendência cada vez maior de se desenvolverem doenças no tubo digestivo, tendo em vista o estresse pela competitividade, a vida nas grandes cidades, a violência, o trânsito nas capitais, e pela própria alimentação. Hoje são numerosos os quiosques de comidas e refrigerantes espalhados por todos os cantos das cidades, e as lanchonetes e pizzarias instalados nos shoppings e nas regiões de grande afluxo da população.

“É claro que me refiro ao hábito crônico de tomar refeições às pressas, muito temperadas e com muito sal”, diz o Dr. Adilson Savi, professor e patologista do Hospital Semper, de Belo Horizonte, que comenta ainda “que isto já seria o bastante para o desenvolvimento de gastrites, úlceras gástricas e duodenais e, em longo prazo, também câncer”.

O especialista explica que há poucos anos foi descoberta uma bactéria, hoje conhecida como Helicobacter pylori (HP), nome final que lhe foi dado em 1989. As pesquisas sobre essa bactéria não param de ser produzidas, tal a importância que veio adquirir como agente causador das gastrites e da úlcera gástrica. A bactéria HP é encontrada em todo o mundo, infectando pessoas de todas as idades, sobretudo as de baixo nível socioeconômico e pouca higiene, podendo ser transmitida das mães para os filhos.

Dr. Adilson Savi

As crianças são particularmente sensíveis à infecção pelo HP. Ele pode ser transmitido pela água e de pessoa para pessoa, havendo provas indiretas dessa transmissão pela presença do microorganismo entre os gastroenterologistas, entre os residentes dos asilos e das creches, orfanatos, em famílias inteiras e até nas tripulações de submarinos. A prevalência da infecção aumenta à taxa de 1% ao ano na população em geral. Sabe-se que nos países industrializados, em torno de 50% a 60% das pessoas, com mais de 60 anos, estão infectados.

O Dr. Adilson Savi enfatiza que a prevalência é maior nos países muito desenvolvidos, chegando a 75% de indivíduos contaminados em torno dos 25 anos de idade. As pessoas negras são aparentemente mais susceptíveis.

bactéria resiste aos tratamentos com muita frequência e pode permanecer em reserva nas placas dentárias, por exemplo, vindo a reinfectar o indivíduo uma vez cessado o tratamento. A bactéria é facilmente identificada pelos métodos laboratoriais, sobretudo na superfície das células da mucosa gástrica às quais se adere, e pode ser observada em colorações de rotina ou por colorações especiais, como o Giemsa, por sais de prata, pelo Gram e pela Carbol-Fucsina. À microscopia eletrônica mostra-se com flagelos (“pelos”) em um dos polos. Sua grande capacidade metabólica a faz produzir várias enzimas, que lesam as superfícies das células, desestabilizando o epitélio e a barreira protetora de muco, facilitando a ação de outros agentes como ácido clorídrico e a pepsina, explica.

Detalhes da bactéria HP

O organismo reage à bactéria como neutrófilos migrantes pelo epitélio em exocitose, acumulando-se nas luzes glandulares do estômago, formando abscessos. Os neutrófilos também liberam enzimas que se somam aos agentes anteriores para a lise das células. Fragilizando as ligações intercelulares, o HP penetra os espaços entre as células e gera uma resposta inflamatóriaa gastrite. Há uma resposta imunológica que (por azar) pode ser cruzada e agredir as células da mucosa gástrica e levar a uma gastrite autoimune. Dessa maneira o HP tem um papel muito importante no desenvolvimento de graves doenças gástricas, desde a gastrite aguda, crônica, crônica ativa, gastrite folicular, atrófica, ulcera gástrica e duodenal, adenocarcinoma e linfoma gástricos.

Localização patológica do HP: estômago

O aparecimento da gastrite, úlcera ou câncer depende da cepa do HP, da sua virulência, da susceptibilidade do paciente e da interação bactéria/portador. A possibilidade da produção de oxidantes pode alterar os genes das células epiteliais, gerar mutações e originar câncer. Assim, a descoberta dessa bactéria veio solucionar um problema antigo da gastrenterologia, já que sua erradicação (com uso associado de antibióticos e drogas de ação local) permite ao portador uma vida saudável, sem as dores e os incômodos das doenças que o HP produz.

Procurar um médico é uma solução mais inteligente do que fazer automedicação, por exemplo, de antiácidos paliativos. “Os recursos da medicina atual permitem com toda facilidade diagnosticar a condição, identificar o HP e com o tratamento adequado erradicá-lo”, ratifica o médico.

Fonte: Bibliomed, Inc.
Blog Boa Saúde

Share

Nenhum Comentário »

Nenhum comentário ainda.

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

 

Informe abaixo seus dados para receber no e-mail as atualizações e eventos.

Loading...Loading...


Consultório Dr. Carlos Bayma: Hospital Esperança - Andar G3 - Ilha do Leite - Recife - PE - Fone: 81 3131-7870

Copyright © 2011 - Dr. Carlos Bayma - Todos os direitos reservados Termos de Uso e Política de Privacidade