Dicas de Saúde

Você sabe o que é o PSA, aquele exame de sangue da próstata?

 

Por Carlos Bayma

O PSA (Prostate Specific Antigen, em inglês; ou APE, de Antígeno Prostático Específico, em português), como o próprio nome diz, é uma substância produzida pela próstata e que circula na corrente sanguínea e, por isso, pode ser medida (dosada) com um simples exame de sangue. A palavra antígeno significa que se trata de um tipo de proteína que, no caso do PSA, é ligada a um tipo açúcar, por isso chamada de glicoproteína (glico = açúcar).

Então, o PSA é uma glicoproteína produzida, em geral, especificamente pelas células epiteliais da Próstata. Em pequenas quantidades também é sintetizada por outras glândulas. Essa glicoproteína influi positivamente na mobilidade dos espermatozoides através da diluição do fluído seminal, no ato da ejaculação. Facilita, dessa forma, a liberação dos mesmos.
No tecido prostático são produzidas duas proteínas específicas, uma delas é a fosfatase ácida prostática, e a outra, o antígeno prostático específico. O PSA é aquela que se associa com o câncer de próstata. Não se encontra um aumento na produção do PSA com o aparecimento do câncer, mas sim, há uma liberação maior da proteína para a corrente sanguínea através dos vasos e tecidos linfáticos que passam pela próstata.

A elevação do PSA livre* indica hiperplasia benigna da próstata. Se a elevação é do PSA conjugado (ou PSA total), é mais indicativo de câncer. Contudo, a medição habitual detecta tanto a forma livre como a forma conjugada do PSA. Para melhorar a sensibilidade do teste, estão desenvolvendo formas mais específicas para medir as duas categorias.

O aumento da taxa do PSA – em si – não significa necessariamente câncer. Uma elevação de PSA no sangue pode ser devido a uma infecção, a uma hipertrofia (crescimento) benigna da próstata ou ao traumatismo da mesma. O crescimento mais representativo da associação do PSA com câncer de próstata seria observar uma elevação, em relação à medição anterior, de 0,75 ng/ml ou maior durante um ano (chamada de velocidade do PSA). Normalmente, um PSA acima de 4,0 deve sugerir uma preocupação maior em acompanhamento médico. Neste caso o homem deve ser submetido ao exame digital (toque retal) e uma ultrassonografia transretal. Dependendo do resultado, uma biópsia prostática.

Tabela de aumento presumido do PSA em diversas condições

De fato, a taxa do PSA que indica a necessidade de uma biópsia ainda é um assunto polêmico. Um estudo americano recomenda biopsia com PSA acima de 2,5 ng/ml, em homens abaixo de 50 anos de idade, e com níveis de PSA acima de 4,0 ng/ml para homens com 50 ou mais anos de idade. Este nível é associado, porém, com um número considerável de falsos positivos (65%) e falsos negativos (20%), demonstrando um baixo poder de detecção entre câncer e hiperplasia da próstata.

De qualquer maneira, para uma maior prevenção do câncer de próstata, o estudo sugere que os homens devem fazer – pelo menos – um exame inicial de PSA no período entre os 40 e 45 anos de idade. Este câncer é mais frequente em homens mais velhos, embora possa acometer os mais jovens. O importante, como para todo tipo de câncer, é detectar a doença em sua fase inicial e, até hoje, o exame do PSA parece ser a maneira mais eficaz de diagnóstico. Alguns estudos demonstram que o exame de PSA é mais efetivo que o exame digital.

De fato, a taxa normal do PSA no sangue depende da idade do paciente e do tamanho da glândula. Com o avanço da idade, a taxa do PSA normal também tende a aumentar. As taxas ou intervalos da quantidade do PSA no sangue considerados normais podem ser verificados abaixo:

Idade | Níveis PSA (ng/ml)
De 40 a 49 anos | até 2,5
De 50 a 59 anos | até 3,5
De 60 a 69 anos | até 4,5
De 70 a 79 anos | até 6,5

O nível do PSA no sangue deve ser acompanhado mesmo após a retirada da próstata por cirurgia. Um aumento no nível do PSA pode indicar que ainda persiste tecido maligno no organismo que precisa ser tratado, pois o tecido prostático canceroso pode ter migrado para outros locais.

__________

* O PSA circula no sangue em duas formas: livre ou ligado a uma proteína (total). Com o aumento das condições benignas, há maior concentração de PSA livre, enquanto que o câncer produz mais a forma ligada. Uma baixa percentagem de PSA livre (20% ou menos) significa um aumento de risco de cancro da próstata que elevadas percentagens (acima dos 20% na relação PSA livre / PSA total).

Share

Nenhum Comentário »

Nenhum comentário ainda.

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

 

Informe abaixo seus dados para receber no e-mail as atualizações e eventos.

Loading...Loading...


Consultório Dr. Carlos Bayma: Hospital Esperança - Andar G3 - Ilha do Leite - Recife - PE - Fone: 81 3131-7870

Copyright © 2011 - Dr. Carlos Bayma - Todos os direitos reservados Termos de Uso e Política de Privacidade